O que é Carreira, afinal?

O que é Carreira, afinal?

Todas as vezes que pensamos em carreira, o ciclo de vida tem de ser considerado porque esse termo pode sofrer alteração em sua interpretação, dependendo de quem ouve ou quem diz.

Para um jovem de dezoito anos, às vésperas do vestibular, a carreira pode significar a sua opção ou escolha acadêmica, ou seja, qual a graduação, formação ou curso técnico ele vai escolher. Ele concebe carreira como algo definido a partir da escolha da formação.

Para uma pessoa que já está no mercado de trabalho, geralmente, ela vê carreira como uma trajetória do cargo que iniciou na empresa e para onde pode ir, considerando a bagagem que tem e o histórico profissional que construiu.

Mas, quando a pessoa já está às portas da aposentadoria e suas linhas de expressão estão marcadas no rosto e mostram o passar do tempo, falar em carreira pode trazer à tona vários sentimentos como tristeza, desânimo, decepção, alegria e até êxtase porque o mundo do trabalho, em muitos momentos, nos deixa exaustos e sem energia e em outros, totalmente conectados à vida.

” Carreira é o caminho que cada um de nós escolhe para encontrar o significado de nossas vidas.” , segundo Michael Arthur (autor do livro Carreira sem Fronteiras). Mas será isso mesmo?

Para entendermos se realmente essa frase do Michel Arthur faz sentido, deveríamos nos fazer algumas perguntas: O que me motiva profissionalmente? Qual o meu maior talento? Quais são os meus principais pontos fortes e limitantes? Qual o comportamento/atitude preciso desenvolver?

Nunca é tarde para pensarmos na nossa vocação. A vocação deve ser o primeiro degrau a ser considerado quando começamos a subir a escada da carreira.

Vocação provém de ” vocar”, chamar, refere-se ao chamado divino, por isso esse termo é tão usado nas religiões. Refere-se à ideia de ser chamado à existência e cumprir uma missão pessoal na vida.

O talento também é algo que deve ser considerado e, segundo Donald Clifton, talento é qualquer padrão recorrente de pensamento, sensação ou comportamento que possa ser usado produtivamente.

No apoio a transição de carreira, nosso papel é atravessarmos juntos, fortalecendo, amparando e descobrindo as verdadeiras forças que movem nossas vidas. Como a borboleta, estamos sempre em algum estágio de atividade:

Descrição: https://static.wixstatic.com/media/a27d24_6aa8b22d7b4b4464964d7d9389a07216~mv2.jpg/v1/fit/w_269,h_187,al_c,q_5/file.jpg

1o. estágio – Onde a ideia nasce mas ainda não é uma realidade, é o estágio do ovo, o ponto de criação de uma ideia;

2o. estágio – Da larva, onde temos de tomar uma decisão;

3o. estágio – Do casulo, é o desenvolvimento do projeto, é fazer para realizar;

4o. estágio – É a transformação, é deixar o casulo e voar, é a realização!

Para seguirmos essa caminho, é preciso estarmos conectados à nossa essência, termos autoconhecimento para estar em sintonia com nossas intuições, valores principais e preferências pessoais.

Para Daniel Goleman, para identificar seus talentos, você precisa mudar o modo como olha para si mesmo, conectar-se de maneira empática com as pessoas e o mundo que existe no outro e conectar-se aos sistemas maiores que nos regulam e governam.

Você já parou para pensar na sua carreira? O que fez até aqui e onde quer chegar?

Próximo postRead more articles

Deixe uma resposta